Se tem vontade de espirrar, não pense duas vezes, espirre.Um homem britânico de 34 anos foi hospitalizado, durante duas semanas, com lesões graves na garganta depois de ter evitado um espirro, segundo um relatório publicado esta segunda-feira, na revista médica BMJ Case Reports.

O homem impediu um espirro e sentiu imediatamente uma sensação no pescoço. Mais tarde, começou a sentir dores na garganta e quando a zona do pescoço começou a inchar e a sua voz mudou, dirigiu-se imediatamente ao hospital, segundo conta a CNN.

Este homem disse que está sempre a evitar espirrar porque é pouco higiénico. Isso significa que ele evita espirros pelo menos há 30 anos. Desta vez, foi diferente”, referiu o médico Wanding Yang, dos Hospitais Universitários de Leicester NHS Trust.

Os médicos examinaram o inchaço no pescoço do homem e ouviram estalidos, consequência da formação de bolhas de ar na zona da faringe. As análises acabaram por revelar um enfisema subcutâneo do pescoço (pequeno buraco nos tecidos da garganta). 

Por sorte, foi uma perfuração muito pequena e não foi necessário operar", disse Yang.

O relatório diz que um espirro pode impulsionar gotículas mucosas a uma velocidade superior a 160 quilómetros por hora. Se o espirro for evitado, o ar pressurizado terá de ir para outro lugar. Neste caso, feriu o tecido da garganta do homem.

O paciente recebeu antibióticos e teve de ser alimentado através de um tubo, durante sete dias. O homem não sofreu danos permanentes e os médicos deixaram o conselho de, em futuros espirros, não apertar o nariz.

“Se não tiver um lenço, espirrar para o braço em vez de para a mão, é uma boa prática”, disse o Doutor Adam Klein, diretor do Emory Voice Center.

Travar um espirro através do bloqueio das narinas e da boca é uma "manobra perigosa" e pode levar a "numerosas complicações", alerta o relatório sobre o perigo desta prática.