A mulher do líder da oposição venezuelana Leopoldo López disse no domingo à noite que o seu marido recebeu uma ameaça de morte de guardas prisionais.

De acordo com um vídeo publicado na sua conta de Twitter, Lilian Tintori relata que um sargento “disse em frente a outros guardas que Leopoldo precisava de ser morto e se lhe dessem a ordem, ele próprio o faria”.

A mulher de Lopez disse ainda que pediu para ter um encontro "urgente" com o ministro da Defesa Vladimir Padrino Lopez para discutir "o que se passa" na prisão militar de Ramo Verde, nos arredores de Caracas.

López, um dos mais severos opositores ao Presidente Nicolas Maduro, foi detido em fevereiro de 2014 após uma onda de protestos contra o Governo que levaram à morte de 43 pessoas. O ativista, que está atualmente a cumprir uma pena de 14 anos, declarou-se inocente várias vezes do crime pelo qual foi condenado - instigação de violência nos protestos contra Governo em 2014.

A sentença do economista de 45 anos foi confirmada no tribunal de recurso a 12 de agosto e foi condenada pelas Nações Unidas, Estados Unidos e União Europeia.

A oposição venezuelana, que culpa Maduro pela situação de caos que o país atravessa, está envolvida numa batalha para o retirar do poder, através de um referendo.