Muito já se falou de Mona Lisa e são dezenas as teorias em torno desta que é a obra mais emblemática de Leonardo Da Vinci. Mas, agora, um investigador de arte italiano diz que o sorriso icónico e enigmático de Mona Lisa terá sido inspirado num amante do artista.

Silvano Vinceti acredita que o quadro, exposto no Museu do Louvre, em Paris, é uma fusão entre Lisa Gherardini, a mulher de um rico comerciante de seda de Florença, e Gian Giacomo Caprotti, um aprendiz de Da Vinci, mais conhecido como “Salai” ou “Pequeno Diabo”.

A Mona Lisa é andrógina – metade homem, metade mulher”, explicou o investigador ao The Telegraph. “Vê-se particularmente no nariz, na testa e no sorriso. Isto responde à questão que tem sido colocada durante anos: em que é que a Mona Lisa é baseada?”

Salai trabalhou para Leonardo Da Vinci durante 25 anos. Terá começado em 1490 e muitos historiadores acreditam que ambos tinham uma relação.

Pietro Marani, um especialista em Da Vinci, refuta, no entanto, que Mona Lisa tenha sido baseada em Salai. Para Marani, a teoria de Silvano Vinceti é “infundada” e Mona Lisa é “um retrato de beleza” de ninguém em específico.

O retrato mais famoso da história da arte continua a fazer correr muita tinta e o mistério em torno da inspiração de Da Vinci continua.