Um livro de salmos de 1640, considerado o primeiro livro a ser impresso nos Estados Unidos, foi esta quarta-feira à praça, num leilão da casa Sotheby¿s em Nova Iorque, e vendido por mais de 14 milhões de dólares.

Ao ser atingido este valor (equivalente a cerca de 10,3 milhões de euros), cumpriram-se assim as expetativas de bater um record na sessão dedicada exclusivamente a este lote, que continha um exemplar de «The Bay Psalm Book», impresso em Cambridge (Massachusetts) e parte de uma edição de 1700 exemplares da qual apenas restam 11 cópias.

Os especialistas tinham apontado para uma venda entre os 15 e os 30 milhões de dólares, mas apesar de o valor atingido ter ficado ligeiramente abaixo das expetativas mais modestas, foi batido o record que pertencia à venda de uma cópia do livro «Birds of America», de John James Audubon, pela qual foram pagos 11,5 milhões de dólares em 2010.

Estes salmos já contavam com um historial de records, depois de outro livro desta edição se ter vendido, em 1947, pelo preço inédito para a época de 151 mil dólares.

O exemplar hoje leiloado, que contém erratas de correções feitas de forma manual, pertencia a uma igreja de Boston, que vai usar o dinheiro para financiar as suas atividades.

Outros exemplares dos 11 sobreviventes da edição de 1640 encontram-se na biblioteca do Congresso norte-americano, nas universidades de Yale e Brown, na Sociedade Americana de Antiquários, na biblioteca Rosenbach e ainda dois exemplares na biblioteca pública de Boston.

A sua cotação no mercado dos colecionadores, assim como a historia contida nas suas páginas, inspirou o escritor David Baldacci a tecer uma trama em torno da hipótese de existir um 12.º exemplar, no romance «The Collectors» (Os Colecionadores, em português).

O record alcançado com a venda de «The Bays Psalm Book» soma-se a um outono de records na casa Sotheby¿s, que, recentemente, converteu o tríptico de Francis Bacon «Três Estudos de Lucian Freud» no quadro mais caro vendido em leilões, ao atingir o preço de 142,5 milhões de dólares (cerca de 106 milhões de euros).

Em Genebra a Sotheby¿s vendeu também o diamante mais caro do mundo, por 83,2 milhões de dólares, conta a Lusa.