Uma carta de uma indignada aristocrata britânica, que sobreviveu ao naufrágio do navio Titanic, em 1912, foi arrematada em leilão por 11.875 dólares (cerca de 10.300 euros), anunciou esta sexta-feira a leiloeira norte-americana que fez a venda.

Lucy Duff-Gordon, alvo de indignação pública depois de ter escapado do navio num bote salva-vidas quase vazio, escreveu uma carta de duas páginas em Londres, um mês após o desastre.

«Que amável da sua parte enviar-me, desde Nova Iorque, um telegrama de simpatia pela nossa segurança», escreveu a estilista a um amigo.

«Pela forma como temos sido tratados por Inglaterra quanto ao nosso regresso parece que salvarmo-nos não foi a coisa certa que fizemos!!! Não é vergonhoso?», lê-se na carta.

A casa de leilões RR Auction, que frequentemente vende objetos do Titanic, esperava que a carta valesse 6.000 dólares no leilão, que decorreu na quinta-feira em Boston, depois de uma semana de ofertas através da internet.

«Continuamos fascinados pela tragédia do Titanic e vamos prosseguir assim durante muitos anos», disse o vice-presidente da empresa, Bobby Livingston.

Duff-Gordon, de 48 anos, e o seu marido, Cosmo Duff-Gordon, com 49 anos, viajavam em primeira classe na viagem inaugural do Titanic, entre Southampton, Inglaterra, e Nova Iorque, nos Estados Unidos. O casal foi alvo de críticas quando se soube que o bote salva-vidas em que escaparam transportava apenas 12 pessoas, incluindo sete membros da tripulação, apesar de ter capacidade para 40 pessoas.

Cerca de 1.500 pessoas morreram quando o Titanic naufragou, a 15 de abril de 1912, depois de embater contra um icebergue, naquela que permanece como a mais romanceada tragédia marítima de sempre.