O ex-comediante e atual senador democrata Al Franken foi acusado de beijar à força e tocar de forma inapropriada numa jornalista, naquele que é o mais recente caso na onda de notícias de assédio sexual nos Estados Unidos.

O incidente ocorreu em 2006 durante uma visita de apoio às tropas norte-americanas no Kuwait e o momento em que Al Franken tocou no peito de Leeann Tweeden ficou registado.

A imagem foi partilhada pela queixosa, atualmente apresentadora na rádio californiana KABC, que descreveu o sucedido num longo texto publicado na página online da estação.

Senti-me enojada e desrespeitada.”

 

Em conferência de imprensa na quinta-feira, Leeann Tweeden explicou que, durante essa deslocação ao Médio Oriente, Al Franken, então humorista do programa norte-americano Saturday Night Live, ficou de preparar uma rábula em que os dois participariam e insistiu que deveriam praticar um beijo durante o ensaio. A ex-modelo contou que o agora senador acabou por beijá-la à força. 

Dissemos o diálogo combinado e então ele avançou sobre mim, agarrou-me na nuca, encostou os lábios contra os meus e enfiou a língua na minha boca agressivamente”, contou.

Al Franken, senador desde 2009, já veio pedir publicamente desculpas pelo seu comportamento há 11 anos, escrevendo na sua página no Facebook que sempre respeitou as mulheres. Disse que pretendia ser "engraçado, mas não foi", quando tirou aquela fotografia.

Não devia tê-lo feito", assumiu.

Leeann Tweeden disse, também, aos jornalistas que aceitou o pedido de desculpas de Al Franken, por não ter motivos para não o fazer, uma vez que todos erram.

A radialista também não pede a demissão do senador do Minnesota e que só tornou público o que lhe aconteceu para inspirar outras mulheres a contarem as suas histórias.