“Desenhámos Maomé para defender o princípio de que se pode desenhar o que se quiser”, afirmou o diretor da publicação francesa.


"

“Fizemos o nosso trabalho. Defendemos o direito à caricatura”, acrescentou.