O ministro dos Negócios Estrangeiros da França, Laurent Fabius, suspendeu hoje de funções uma consulesa honorária na Turquia, por ter vendido barcos a migrantes e refugiados.

O anúncio da suspensão, comunicado pelo ministério da tutela, seguiu-se a uma reportagem no canal televisivo France 2, em que a diplomata, Françoise Olcay, admite ter vendido barcos pneumáticos e coletes salva-vidas a migrantes e refugiados que pretendem chegar à Grécia.

A reportagem, feita com uma câmara oculta, mostra a mulher na loja de artigos marítimos de que é proprietária na cidade turca de Bodrum.

Françoise Olcay, consulesa honorária desde outubro, disse que se parar com o negócio, outras pessoas continuarão com ele no seu lugar.

No exterior da loja está pendurada uma bandeira francesa e afixada uma placa que identifica a proprietária como consulesa honorária de França.

A suspensão de funções da diplomata foi-lhe notificada pelo cônsul-geral de França em Istambul, ao qual ela responde.

A consulesa arrisca-se a ser destituída pelo ministro Negócios Estrangeiros francês, sob proposta do embaixador na Turquia, indicou o porta-voz do ministério da tutela, Romain Nadal, citado pela agência AFP.

Os cônsules honorários são funcionários com um estatuto particular, que lhes permite exercer uma atividade profissional remunerada.

O seu papel principal é manter um contacto estreito com os seus compatriotas.