As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) colocaram um mural na sede da companhia, para permitir que familiares e amigos das 33 vítimas da queda do avião da transportadora possam depositar flores e mensagens no local, anunciou a empresa.

O Embraer 190 despenhou-se no norte da Namíbia, no dia 29 de novembro, quando fazia o trajeto Maputo-Luanda, matando os 33 ocupantes, incluindo sete cidadãos de origem portuguesa.

Em comunicado enviado esta terça-feira à Lusa, as LAM anunciaram que inauguraram um mural para permitir que familiares e amigos possam depositar flores e deixar mensagens de lembrança das 33 vítimas do desastre aéreo.

«Um mural foi inaugurado ao lado da sede da LAM em Maputo e um livro de condolências foi criado para que os entes queridos e amigos possam depositar flores e deixar mensagens de lembrança para os passageiros e tripulantes que faleceram no dia 29 de novembro», indica a nota de imprensa.

No comunicado, a companhia de bandeira moçambicana alude à complexidade e lentidão do processo de identificação das vítimas do acidente, lembrando que os familiares dos passageiros e tripulantes que morreram forneceram amostras de ADN, descrições e fotografias úteis.

«Este processo tem sido profundamente perturbador para as famílias que, apesar disso, tem tido uma participação muito importante no processo de identificação», refere a nota.

Portugal enviou para a Namíbia dois elementos do Instituto de Medicina Legal para ajudar na identificação dos corpos.