Um menino de seis anos foi esfaqueado até à morte ao tentar impedir um homem de violar a mãe. A tragédia ocorreu em Jan Kempdorp, na província do Cabo Norte, na África do Sul, segundo a imprensa internacional.

Kutlwano Garesape dirigia-se para a escola a pé, juntamente com a mãe, Segomotso, e o irmão mais velho, Thabiso, de 8 anos, quando foram interpelados por um homem a pedir dinheiro. Quando a mulher recusou o pedido, o homem ficou transtornado e agarrou-a. Na tentativa de a defender, o filho mais novo foi esfaqueado com uma garrafa de vidro partida e acabou por morrer.

Deixa a minha mãe, é a minha mãezinha!", terá gritado o menino.

Furioso com a recusa, o homem empurrou a mãe de Kutlwano para o chão.

O Thabiso estava assustado mas o Kutlwano continuou a defender-me. O homem estava a tentar puxar a minha saia para cima com a outra mão e queria violar-me na frente dos meus filhos", explicou a mãe.

Segomotso aproveitou a distração do agressor com os gritos e pontapés do filho, conseguiu empurrá-lo e correr para procurar ajuda, juntamente com o filho mais velho. Contudo, Kutlwano ficou para trás e o homem acabou por matá-lo.

Eu ouvi o meu filho chorar por mim e vi-o a tentar defender-se com as suas próprias mãos. Mas o homem não parou de o esfaquear", contou Segomotso. "Senti-me inútil e corri para a rua principal para pedir ajuda... Mas os carros não paravam enquanto eu chorava e gritava que estava um homem a matar o meu filho", disse ainda.

De acordo com a polícia local, o homem de 32 anos foi já acusado do homicídio da criança de seis anos. No exterior da esquadra, vários cidadãos manifestaram-se contra o agressor, exigindo que 'pagasse' pelo que tinha feito.