O caça russo abatido pelas forças turcas junto à fronteira com a Síria, está a fazer subir de tom a tensão entre a Turquia e a Rússia. O presidente turco queria esclarecer o assunto de uma vez por todas, mas o homólogo russo já rejeitou um encontro.

As críticas de ambos os lados já extravasaram mesmo o assunto da queda do avião. O presidente russo considerou as declarações de Putin, em que este alegava que a Turquia vende petróleo ao Estado Islâmico, como “difamatórias”.

O presidente turco, Tayyip Erdogan avisou esta sexta-feira a Rússia para “não brincar com o fogo”, segundo cita a Reuters e mostrou “desconforto” pela Rússia estar a levar este assunto para outras áreas de relações entre os dois países.
 
O presidente turco reafirmou que a Turquia abateu o avião russo, mas que tal ato “não foi com intenção” de prejudicar as relações com a Rússia, mas apenas fruto de um “reforço das medidas de segurança”.
  
Isso era o que o presidente turco queria dizer a Vladimir Putin. O Kremlin anunciou, esta sexta-feira, que Tayyip Erdogan solicitou um encontro com o presidente russo, Vladimir Putin.

"Uma proposta vinda da Turquia sobre um encontro a nível de chefes de estado foi entregue ao presidente. É tudo o que posso dizer", esclareceu o Kremlin.

E Putin não levou tempo a responder. 
 
Yuri Ushakov, assessor de Putin, informou, já esta sexta-feira, que o presidente russo não deseja encontrar-se com Erdogan, porque Ancara não pediu desculpas à Rússia pelo abate do caça.
 
A Rússia chamou-lhe “falta de vontade por parte de Ancara para simplesmente pedir desculpa”, disse Yuri Ushakov, de acordo com a Reuters.

Erdogan tinha admitido, segundo a agência Reuters, conversar com o homólogo russo durante a cimeira do clima, em Paris. Mas, Vladimir Putin não está interessado em conversar com o homólogo turco. Vai encontrar-se com Angela Merkel para discutir o futuro da Síria.