A cidade sueca de Kiruna está prestes a desaparecer por se situar a uma curta distância da maior e mais ativa mina de ferro do mundo. Para que tal não aconteça, as autoridades criaram um plano urbanístico que passa pela deslocação da cidade para cerca de três quilómetros a Este da localização atual.

Ainda que as escavações se encontrem a um quilómetro da superfície, as grandes temperaturas a que a mina opera estão a levar à erosão da terra, o que significa que a localização atual de Kiruna, tão próxima da mina, coloca em risco os seus habitantes e as suas infraestruturas.

Mina de Kiruna, Suécia

O plano de deslocação da cidade despertou diversas dúvidas ao diretor do projeto, Göran Cars. O responsável acabou por concluir que a melhor forma de dar seguimento à ideia passa por transportar algumas das infraestruturas existentes para a nova localização e construir outras de raiz.

A ideia é recriar a cidade de acordo com um conceito futurista, mais denso, tendo em conta que a cidade atual tem diversas zonas de difícil acesso.

Catedral de Kiruna, Suécia

Aos habitantes foi dada a possibilidade de escolha: podem ver a sua casa transportada para a "nova cidade" ou, se assim o preferirem, ter uma habitação construída de raiz.

No caso de edifícios maiores, que não podem ser transportados, como a catedral, estes têm de ser desmontados peça a peça e reconstruídos no novo local com os materiais de origem.

O nosso maior desafio não é o planeamento da nova cidade, mas sim a mudança da mentalidade das pessoas e da cultura", explicou o arquiteto Mark Szulgit.

Relativamente à estratégia ambiental, o coordenador do projeto indicou que o sistema de tubagens e canos será totalmente novo e que se pretende aproveitar o desperdício energético da mina para utilizações como o aquecimento da água. Refere ainda que as novas construções terão características de isolamento mais eficazes, o que as tornará mais ecológicas.

No que diz respeito ao financiamento do projeto, o papel do governo local é apenas de coordenação e não de financiamento em si. A exploração mineira irá cobrir a grande maioria dos custos e o restante terá o contributo de outras indústrias do setor privado.

Kiruna 4-ever - How to Move a City? from whitearkitekter on Vimeo.

No início do projeto, os especialistas estimaram que as frestas no subsolo levariam a cidade a desabar por volta de 2050. Como tal, pretendem finalizá-lo antes de 2040.

Onde hoje residem mais de 20 mil habitantes, prevê-se que sejam construídas zonas verdes. “Não queríamos ficar com uma cidade fantasma ou um terreno de escombros”, explicou Cars.