Pyongyang elevou esta quarta-feira o tom das suas ameaças contra a Coreia do Sul e Estados Unidos, prometendo infligir-lhes «um castigo sem piedade», dias depois de responder com ensaios de mísseis às manobras dos aliados em território sul-coreano.

«Os militares e cidadãos da RPDC [Republica Popular Democrática da Coreia] castigarão de forma contundente os agressores imperialistas dos Estados Unidos com os mais duros contra-ataques sem piedade», afirmou o líder do regime, Kim Jong-un, num comunicado divulgado pela agência estatal KCNA.

O Exército Popular da Coreia do Norte, um dos mais numerosos do mundo, com mais de um milhão de efetivos, «pôs em alerta todas as suas unidades de ataque em terra, mar e ar» perante as manobras militares que a Coreia do Sul e Estados Unidos realizam no território sul-coreano desde segunda-feira, indica o comunicado.

Seul e Washington iniciaram na segunda-feira exercícios militares que incluem simulacros de resposta a um eventual ataque norte-coreano e manobras em terra, mar e ar.

A Coreia do Norte condenou as manobras, considerando-as «um ensaio de invasão» do seu país e, como primeira resposta, levou a cabo um ensaio de mísseis de curto alcance.