A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje que Pyongyang procura reforçar o isolamento dos norte-coreanos com uma campanha de repressão contra aqueles que tentam utilizar os telemóveis para fazer chamadas internacionais.

A organização de defesa dos direitos humanos explica, num relatório, que o regime de Kim Jong-un inflige penas severas, incluindo o internamento em campos para presos políticos, para aqueles que são apanhados a tentar contactar familiares que fugiram para o estrangeiro.

“Para manter o seu sistemático e absoluto controlo, as autoridades da Coreia do Norte reprimem as pessoas que utilizam os telemóveis para contactar a sua família no estrangeiro”, afirmou Arnold Fang, investigador da AI para a Ásia Oriental.

Apesar das denúncias de vários relatórios de organizações não governamentais, nada parece incomodar Kim Jong-un que, recentemente, fez saber que o arsenal nuclear vai ficar em “estado de prontidão permanente”. Foi a sua reação à resolução da Organização das Nações Unidas, que endurece as sanções contra Pyongyang.