A Coreia do Norte considerou que os Estados Unidos da América e a política norte-americana para o Médio Oriente são os responsáveis pela saída do Reino Unido da União Europeia.

"A crise dos refugiados, uma das causas fundamentais do 'brexit', é o resultado inevitável do seguimento cego da política norte-americana por parte do Reino Unido, oposta ao espírito da União Europeia", considerou o regime de Kim Jong-un, num raro editorial publicado no diário Rodong, o jornal do Partido dos Trabalhadores, o partido único que governa a Coreia do Norte há décadas.

O texto argumenta que "a liderança dos EUA em matéria antiterrorista levou à destruição, agitação, sangrentos conflitos étnicos, confusão e caos no Iraque, Afeganistão, Líbia ou Iémen, entre outros países, desencadeando, por fim, a crise dos refugiados na Europa".

Esta política antiterrorista levou a que a União Europeia se tenha "alheado da sua própria ideologia e crenças e tenha perdido a sua coluna vertebral", prossegue o editorial.

Pyongyang já criticou por diversas vezes a política "imperialista" dos Estados Unidos, a quem acusa de estar a preparar, em conjunto com a Coreia do Sul, uma invasão da Coreia do Norte.