O arsenal nuclear da Coreia do Norte deve ficar em “estado de prontidão permanente”, afirmou esta quinta-feira o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, em reação à resolução da Organização das Nações Unidas, que endurece nas sanções contra Pyongyang.

“Devemos estar sempre prontos para utilizar o nosso arsenal nuclear", declarou Kim, citado pela agência noticiosa oficial norte-coreana, KCNA.

Falando durante um exercício militar, o líder norte-coreano afirmou ainda que os inimigos estão a ameaçar a sobrevivência da Coreia do Norte.

"Num momento extremo, quando os americanos estão a incitar guerras e desastres noutros países, a única maneira de defender a nossa soberania e o direito de viver é reforçar a nossa capacidade nuclear".

As declarações surgem um dia depois de o Conselho de Segurança da ONU ter aprovado, em Nova Iorque, uma resolução que impõe restrições comerciais ao país comunista em resposta aos últimos testes nucleares e de mísseis de longo alcance.

A discussão destas sanções arrastou-se durante semanas na ONU, já que a China é amiga da Coreia do Norte, mas, alcançado finalmente um acordo, Barack Obama pronunciou-se para dizer que "a comunidade internacional está a falar a uma voz" e a dizer à Coreia do Norte que deve abandonar os programas nucleares e os lançamentos de mísseis. 

EUA minimizam risco de arsenal nuclear da Coreia do Norte

O Pentágono minimizou o risco do arsenal nuclear da Coreia do Norte, depois de Kim Jong-Un ter afirmado que as armas nucleares devem estar em “estado de prontidão permanente”.

“A avaliação do Governo dos Estados Unidos não mudou”, disse um funcionário da Defesa norte-americano.

Segundo a mesma fonte, os Estados Unidos ainda não viram a Coreia do Norte a testar ou demonstrar a capacidade de miniaturizar uma arma nuclear e colocá-la num míssil balístico intercontinental.