Notícia atualizada às 19:11

O exército ucraniano pode fazer uso das suas armas e restringir a circulação de pessoas, no âmbito de «medidas antiterroristas» adotadas por Kiev para neutralizar «extremistas» infiltrados entre os manifestantes, foi esta quarta-feira divulgado pelo Ministério da Defesa ucraniano.

«As tropas têm o direito de usar as suas armas no âmbito da operação antiterrorista», indicou o ministério, num comunicado.

Os soldados também têm o direito de «limitar ou proibir a circulação de transportes e peões», acrescentou a nota informativa.

Após esta adoção de medidas de exceção, o Presidente ucraniano, Viktor Ianoukovich, substituiu o chefe do Estado-maior do Exército. O chefe de Estado ucraniano nomeou Iouri Iliine para o cargo, em substituição de Volodymyr Zamana, segundo um decreto publicado no site da Presidência ucraniana, que não fornece mais informações, nomeadamente as razões que desencadearam a decisão presidencial.