O Presidente do Iémen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, renunciou esta quinta-feira ao mandato, mas a demissão foi rejeitada pelo Parlamento, refere a Al Arabiya TV. A mesma estação de televisão refere que o Parlamento vai realizar uma sessão de emergência, na sexta-feira.
 
De acordo as agências Reuters e Associated Press, Abd-Rabbu Hadi demitiu-se devido à pressão dos rebeldes xiitas que controlam a capital, Sanaa, desde setembro e que nos últimos dias têm cercado a residência presidencial, mantendo-o preso.

Uma fonte do governo iemenita, citada pela agência Reuters, revela que a renúncia do chefe de Estado aconteceu pouco depois de o primeiro-ministro Khaled Bahah ter apresentado ao Presidente a demissão do governo. Na carta de demissão dirigida ao Presidente, e que foi publicada no Facebook, Bahah justificou a demissão, dizendo que não queria ser arrastado para «um labirinto político pouco construtivo, que não se baseia na lei e na ordem».
 
 
 

Esta foi uma referência ao impasse entre Abd-Rabbu Hadi e a milícia xiita Huthi, que pretende estender a presença e a influência no Iémen. A carta de Bahah ao Presidente Hadi foi enviada menos de 24 horas depois de o chefe de Estado ter chegado a acordo com os rebeldes xiitas para que se retirassem do palácio presidencial e de setores-chaves da capital, Sanaa, em troca de concessões políticas significativas. Nomeadamente, permitir que o projeto de Constituição, ao qual os Huthis se opõem, possa ser alterado.

Apesar disto, os rebeldes Huthi continuam a cercar os edifícios tomados. Fontes do Exército disseram à AP que o Presidente se demitiu depois de os rebeldes o terem pressionado a fazer um anúncio televisivo para acalmar a agitação nas ruas.
 
Milícia xiita não retirou da capital apesar do acordo
 
A milícia xiita no Iémen continua, esta quinta-feira, a controlar a capital apesar do compromisso alcançado na quarta-feira. Mesmo com o acordo feito com o Presidente Hadi, que incluía a retirada de vários setores da capital e a libertação do chefe de gabinete presidencial, a milícia não se moveu das ruas de Sanaa e aquele responsável continua detido, de acordo com um correspondente da agência France Presse.

Milícia xiita cerca residência do primeiro-ministro (Foto: Reuters)

O emissário da ONU Jamal Benomar chegou esta quinta-feira a Sanaa, onde preside a uma reunião de todas as fações políticas do país. O responsável da ONU, de nacionalidade marroquina, vai tentar ajudar a resolver o conflito que levou na terça-feira à tomada do palácio presidencial pela milícia xiita, após combates que causaram 35 mortos e 94 feridos.