Keow Wee Loong tem 27 anos e foi o primeiro, desde o desastre nuclear de 2011, a fotografar a zona vermelha de Fukushima. O acesso público à zona específica que o fotógrafo visitou é proibido, uma vez que os níveis de radioatividade são ainda demasiado elevados.

O acidente nuclear de Fukushima foi despoletado por um tsunami, por sua vez causado por um terramoto de magnitude 9,0, a 11 de março de 2011. Desde então que o acesso a cidades como Tamioka, Namie, Futaba e Okuma está interdito.

Para que se possam visitar estes locais é necessária uma autorização especial que demora entre três a quatro semanas a ser emitida. O fotógrafo não esteve disposto a esperar por esta autorização e decidiu “invadir” o local que, segundo descreveu no seu artigo no Imgur, lhe deu “uma sensação de ardor nos olhos e um forte odor a químicos”.

Nas fotografias pode ver-se o jovem fotógrafo nos despojos do desastre nuclear protegido apenas por uma máscara. Segundo o seu relato, facilmente encontrava dinheiro, ouro, computadores e outros materiais valiosos que tinham sido deixados pelos habitantes das zonas evacuadas após a catástrofe.

Gosto de fotografar locais onde as pessoas não vão”, contou à revista Time o fotógrafo que costuma tirar fotografias do topo de arranha-céus e de vulcões.