A antiga estrela da NBA Dennis Rodman deixou hoje a Coreia do Norte sem o prisioneiro norte-americano Kenneth Bae, detido no país desde novembro, depois de uma visita de cinco dias ao país.

Rodman, de 51 anos, chegou às 03:30, hora de Lisboa, ao aeroporto de Pequim, vindo de Pyongyang, constatou no local um fotógrafo da agência AFP.

A antiga estrela da NBA mostrou aos jornalistas que o esperavam dezenas de fotografias, algumas das quais tiradas com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, antes de se irritar com as perguntas dos repórteres.

«Não me cabe a mim trazê-lo de volta», disse, referindo-se ao norte-americano de ascendência coreana Kenneth Bae, um operador turístico de 45 anos, detido em novembro por alegadamente tentar entrar na Coreia do Norte com material religioso e condenado a 15 anos de trabalhos forçados no início do ano ao ser acusado de tentar derrubar o regime.

O portal de notícias NK News, sedeado em Washington, reportou que Bae foi detido por procurar utilizar a sua empresa de viagens para levar missionários cristãos para a Coreia do Norte.

Em maio, Rodman, que há seis meses se declarou como «amigo para a vida» do líder norte-coreano depois da sua primeira visita a Pyongyang, afirmou, em declarações ao portal de notícias sobre celebridades TMZ, que tentaria ir à Coreia do Norte para procurar libertar este homem.

A agência noticiosa oficial norte-coreana KCNA informou hoje que o basquetebolista, que chegou a Pyongyang no início da semana, se reuniu com Kim Jong-un, e a imprensa estrangeira especulava que Rodman utilizaria a sua influência para procurar libertar Bae.

Pyongyang anulou na sexta-feira o convite que endereçou a um enviado oficial norte-americano para discutirem o caso de Kenneth Bae, alegando a participação dos Estados Unidos em manobras de dissuassão nuclear com a Coreia do Sul.