O grupo radical Estado Islâmico divulgou este sábado um vídeo em que mostra a decapitação do refém japonês Kenji Goto, capturado na Síria.

Nas imagens, vê-se Goto de joelhos, vestido com um fato cor de laranja, enquanto um homem encapuzado, de pé, atrás dele, empunha uma faca e responsabiliza o Governo japonês pela sua chacina.

O vídeo termina com uma fotografia com o corpo deitado do japonês e a cabeça atrás.

O vídeo foi divulgado em sites militantes e mostra os mesmos símbolos dos vídeos anteriores do Estado Islâmico. Contudo, a autenticidade das imagens ainda não foi confirmada oficialmente e, de acordo com a Reuters, o Governo japonês está precisamente a tentar comprovar essa autenticidade.

O vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Yasuhide Nakayama, tinha dito, na sexta-feira à noite, que as negociações para a libertação de Goto estavam paralisadas.

Mesmo sem a confirmação da autenticidade do vídeo, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, já veio a público condenar o ato: «Sinto uma forte indignação perante esse ato desumano e desprezível de terrorismo».

«O Japão irá trabalhar com a comunidade internacional para trazer os responsáveis por este crime à justiça», acrescentou.