A associação de magistrados do Chile pediu perdão por ter falhado na proteção das vítimas da ditadura de Augusto Pinochet, que causou mais de 3 mil mortos.

«Chegou a hora de pedir perdão às vítimas, aos seus familiares e à sociedade chilena», disseram na quarta-feira à noite os juízes numa declaração inédita, divulgada a poucos dias do 40.º aniversário do golpe de Estado que depôs o governo socialista de Salvador Allende e instalou no poder o general Pinochet, a 11 de setembro de 1973.

Entre 1973 e 1990, cerca de 3.200 pessoas foram mortas ou desapareceram, segundo as organizações de defesa dos direitos humanos.