“Isto é tão revoltante como o escândalo das despesas do parlamento [que revelou, em 2009, as despesas do Estado britânico, incluindo os ordenados concedidos, com os membros do parlamento] ”, afirmou John Mann, membro do Partido Trabalhista, que acrescentou que “não há transparência nem provas de que estas pessoas atendam as sessões, depois de receberem o dinheiro”.




Daily Mail

“As pensões atribuídas são baseadas na assiduidade e não no local de residência”, explicou um porta-voz da Câmara dos Lordes. “Não é pago um salário aos membros. Podem cobrar entre 212 e 424 euros por cada dia de trabalho no parlamento. Este sistema está a funcionar desde 2010. Apenas membros que morem fora da cidade podem cobrar despesas com a viagem”.