O candidato à presidência dos EUA, Donald Trump, envolveu-se em mais uma polémica durante a sua ainda curta corrida à Casa Branca. Desta vez, o milionário envolveu-se numa discussão com um jornalista, que foi obrigado a abandonar a sala pelos seguranças do candidato. 

Como escreve a CNN esta quarta-feira, durante uma conferência de imprensa em Dubuque, Estado do Iowa, o jornalista e pivot da Univision - um canal de língua espanhola - Jorge Ramos levantou-se e começou a questionar o candidato sobre as suas propostas para lidar com a imigração ilegal, no entanto, Trump tinha dado permissão para falar a outro jornalista, sentado mais à direita.

Ramos continuou a falar apesar disso e foi aí que o candidato ordenou várias vezes ao jornalista que se sentasse.

“Sente-se. Sente-se. Sente-se. Não foi chamado. Volte para a Univision.”


Enquanto um segurança se aproximava, o pivot da Univision continuou a falar, referindo que Trump “não pode deportar 11 milhões de pessoas”, nem “construir um muro com 3.000 quilómetros” – referindo-se às propostas de Trump de deportar todos os imigrantes ilegais nos EUA e construir uma nova barreira física na fronteira com o México. O segurança acabou por levar o jornalista para fora da sala.

Já sem Ramos, Trump começou a explicar o porquê do que acabara de acontecer.

“Ele levantou-se e começou a gritar. Talvez também seja culpa dele. (…) Eu não o conheço pessoalmente, adorava que voltasse”, acrescentou.


Jorge Ramos acabou, de facto, por regressar, 15 minutos depois, mas nem por isso a discussão foi mais pacífica. O jornalista criticou o plano de Trump para lidar com a imigração, em especial à promessa de acabar com a cidadania por nascimento em solo norte-americano.

“O seu plano para a imigração está cheio de promessas vazias. Não pode negar cidadania a crianças nascidas neste país”.

“Por que é que diz isso? Muitos académicos de direito não concordam com isso”, respondeu Trump.        

                 
A cidadania é garantida a todas as crianças nascidas em solo norte-americano pela Constituição norte-americana. Porém, Trump não concorda que assim seja, já que muitos imigrantes ilegais atravessam a fronteira só para ter os bebés em solo dos EUA e conseguir a cidadania.

“Se alguém estiver nos EUA um dia e tiver um bebé, essa criança é automaticamente um cidadão americano. Há académicos de topo que dizem que esta política esta errada.”


Para Jorge Ramos esta é uma questão bastante pessoal, já que ele também é um imigrante - Nasceu no México e tem dupla nacionalidade. Mas para provar que esta não é uma questão de xenofobia e que não tem um problema com imigrantes hispânicos, Trump respondeu ao jornalista em forma de pergunta:

“Sabe quantos latinos e hispânicos trabalham para mim? Milhares. E eles adoram-me.”