A administração Obama está a usar todos os recursos para convencer o Senado a apoiar a intervenção militar na Síria. Tanto o Secretário de Estado, John Kerry, como o secretário da Defesa, Chuck Hagel, voltaram a repetir os argumentos do presidente: é preciso dissuadir o regime sírio de voltar a usar armas químicas e ninguém pode ficar de braços cruzados face à matança de inocentes, por isso atacar é imperioso.

E esta comissão do senado prevê ter escrita para aprovação a autorização de ataque até à manhã desta quarta-feira em Portugal.

A primeira intervenção de John Kerry na comissão do Senado ficou marcada por um protesto. Uma ativista que empunhava um cartaz a dizer que a «Síria precisava de um cessar-fogo, não de uma guerra», gritou palavras de ordem contra uma nova guerra. Depois da mulher ter sido retirada da sala pela polícia, o secretário de Estado aproveitou para dizer que ele também já tinha pensado como ela.

Barack Obama vai ter encontros bilaterais com o presidente chinês e o presidente francês durante a reunião do G20, avança a Reuters.