O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, expressou preocupação ao ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, pelas «provocadoras» movimentações de tropas russas ao longo da fronteira ucraniana, indicou uma fonte oficial norte-americana.

Numa conversa telefónica com o seu homólogo hoje de manhã, Kerry «expressou a constante preocupação de que as provocadoras movimentações das tropas da Rússia na fronteira com a Ucrânia, o seu apoio aos separatistas e a sua retórica inflamada estejam a minar a estabilidade, a segurança e a unidade da Ucrânia», disse um alto responsável do departamento de Estado.

Kerry insistiu também para que a Rússia demonstre o seu total apoio aos esforços para libertar os 13 elementos da missão da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) feitos reféns pelos separatistas pró-russos na cidade de Slaviansk.

Os comentários do chefe da diplomacia norte-americano surgiram na altura em que o G7, formado pelos sete países mais industrializados do mundo, e a União Europeia anunciaram que aumentarão a pressão económica sobre Moscovo no início da próxima semana, receando que a Rússia esteja a preparar uma invasão do leste da Ucrânia.

Entretanto, o primeiro-ministro ucraniano, Arseni Iatseniuk, acusou a Rússia de ter violado o espaço aéreo do seu país sete vezes durante a noite, com o objetivo «de o provocar» para iniciar uma guerra.

Mas Moscovo negou qualquer transgressão dos seus aviões, tendo Lavrov apelado para «medidas urgentes» para reduzir a tensão da crise que mergulhou as relações Leste-Oeste no seu ponto mais crítico desde a Guerra Fria.