«Há algum tempo que aceitei que é provável que o meu destino possa vir a ser o mesmo que o dos meus companheiros de cela», afirmou Cantlie na mensagem gravada, em que parece estar a ler um guião, sublinha a agência EFE.