O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, atacou Donald Trump em todas as frentes, esta quarta-feira, na Convenção do Partido Democrata. O número dois da administração de Barack Obama acusou o candidato republicano de dizer "tolices" e de, com um "cinismo ilimitado", não ter qualquer ideia sobre o que é a classe média ou sobre como lidar com questões de segurança nacional. "Nunca nenhum candidato esteve tão mal preparado", frisou. 

“Ele está a tentar dizer-nos que se importa com a classe média. Por favor, o que ele diz não passa de um conjunto de tolices.”

Número dois de Obama, 73 anos e quatro décadas de carreira política. Biden tinha tudo para ser o natural sucessor do Presidente dos Estados Unidos. Mas a morte do filho - que sofria de cancro -, em maio do ano passado, manteve-o afastado da corrida à Casa Branca.

Foi precisamente a falar sobre a família, particularmente sobre o filho, Beau, que o vice-presidente norte-americano começou um discurso que foi um conjunto de ataques cerrados a Donald Trump.

“O seu cinismo é ilimitado. A sua falta de empatia e compaixão resume-se a uma frase que o tornou famoso: ‘Está despedido’. Não estou a brincar, pensem nisto.”

Recorrendo às suas origens, chamou-se "Joe-da-classe-média" para depressa atirar que o magnata que fez fortuna no setor imobiliário não tem "nenhuma ideia" sobre o que é a classe média. 

“Sei que sou chamado Joe-da-classe-média e, em Washington, isso não é um elogio pois significa que não se é sofisticado. Mas eu sei porque somos fortes. Sei porque nos mantivemos juntos. Sei porque estamos unidos. É porque sempre tivemos uma classe média em crescimento. Este homem não tem nenhuma ideia sobre o que é a classe média – nenhuma ideia.”

Nem sobre a classe média, nem sobre questões de segurança nacional. Biden disse que Trump não tem qualquer plano para derrotar o terrorismo e acusou-o de acolher as "táticas dos inimigos”, como a tortura. Não poupou nas palavras: “Nunca nenhum candidato de um grande partido, na história desta nação, soube tão pouco ou esteve tão mal preparado para lidar com questões de segurança nacional”.

Muito se comentou na imprensa norte-americana que, nos bastidores do Partido Democrata, Biden teria dificuldades em deixar o caminho livre para Hillary Clinton, chegando a pôr em causa a candidatura da antiga secretária de Estado. Mas esta quarta-feira, na convenção do partido, em Filadélfia, expressou de forma enérgica o seu apoio à candidata que, considerou, será capaz de mudar as vidas das "filhas" e "netas" dos Estados Unidos.

“Toda a gente sabe que ela é inteligente. Toda a gente sabe que ela é forte. Mas eu conheço as suas paixões. Eu conheço a Hillary. A Hillary compreende, a Hillary percebe."