O eurodeputado do PCP João Pimenta Lopes que passou, com mais três eurodeputados alemães e um espanhol, uma noite a bordo da embarcação da organização Lifeline, alertou na segunda-feira para a possibilidade de agravamento da situação já crítica em que estão os 234 migrantes resgatados pela Lifeline, ao largo de Malta, devido às alterações do mar previstas.

O português partilhou no Facebook um vídeo gravado na embarcação em que explica o que viu durante essa noite.

Lamentavelmente temos assistido, como já antes no Aquarius assistimos, a um 'jogo do empurra' entre Itália e Malta, mas onde a União Europeia tem também a sua quota parte de responsabilidades porquanto tem alimentado estas políticas xenófobas e racistas direcionadas às migrações, visando empurrar e promover a repulsão de refugiados ainda em águas internacionais, o que é uma violação do Direito Internacional", sublinhou João Pimenta Lopes.

Em declarações à agência Lusa, o eurodeputado comunista sublinhou que a grande preocupação se prende não só com a ausência de resposta das autoridades a estes migrantes, que há quatro dias estão a aguardar autorização para desembarcar, mas com o agravamento previsto do estado do mar.

Há uma preocupação acrescida que são as condições climatéricas, que até ao momento têm sido favoráveis, pois o mar está praticamente sem ondulação, o que tem possibilitado que não haja, por exemplo, situações de enjoo a bordo", acrescentando que a partir desta terça-feira "as condições climatéricas vão alterar-se e isso vai criar uma situação crítica dentro da embarcação”, alertou.

O eurodeputado disse que a situação a bordo “é de grande debilidade e dificuldade” e que, apesar de este barco estar preparado para resgate e salvamento, “nenhuma embarcação está preparada para suportar ao longo de quatro dias mais de 200 pessoas a bordo, apinhadas no deque”.

Isto é mais um elemento para exigir que seja dada, sem demoras, autorização para acostagem e desembarque a estas pessoas, num porto de abrigo o mais próximo possível”, considerou.

O eurodeputado disse ainda que "a própria embarcação não tem condições para estar tanto tempo com tanta gente”.

O alemão Michel Brandt descreveu no Twitter as condições do navio como "insuportáveis" e disse que os migrantes "precisam de cuidados médicos".

Manuel Sarazin, também eurodeputado alemão, partilhou nas redes sociais aquela que considera uma situação "insustentável" e "perigosa".

O navio Lifeline está ao largo da ilha de Malta e tem a bordo 234 pessoas, incluindo 14 mulheres e quatro crianças (duas com menos de dois anos e um bebé de quatro meses), que resgatou perto da costa da Líbia. Há vários dias que tenta obter sem sucesso autorização para desembarcar os migrantes.

Governo francês fala em possível desembarque em Malta

O porta-voz do governo francês, Benjamin Griveaux, disse esta terça-feira que “parece estar a delinear-se uma solução europeia” para o navio Lifeline com o “possível desembarque” em Malta.

Neste momento uma solução europeia parece estar a delinear-se e poderá ser o desembarque em Malta”, disse Griveaux à estação de rádio RTL.