A polícia italiana anunciou, nesta quinta-feira, uma operação contra uma rede jihadista na Europa que, alegadamente, planeava uma série de ações para libertar o seu líder, detido na Noruega.

A ação policial visou 17 pessoas em toda a Europa, 16 curdos e um kosovar. Seis foram detidos em Itália, quatro no Reino Unido e três na Noruega. Vários suspeitos partiram para o Iraque e Síria para combater nas fileiras do grupo extremista Estado Islâmico (EI), afirmou a polícia.

De acordo com os investigadores, estes suspeitos são discípulos de Najmuddin Ahmad Faraj, conhecido como 'mullah' (mestre) Krekar, um pregador fundamentalista curdo iraquiano de 59 anos, que vive na Noruega desde 1991.

"A importância desta operação é a de ter desmantelado uma célula integrada que incluía, além da Itália, Reino Unido, Noruega, Finlândia, Suíça e Alemanha", afirmou o comandante Giovanni Governale, um responsável do grupo de operações especiais (ROS) da guarda italiana ('Arma dei carabinieri').

A rede desenvolvia as actividades "na Internet através de procedimentos 'negros', plataformas pouco conhecidas" e a operação das forças de segurança permitiu "anular um processo de recrutamento, de envio para combate no estrangeiro".