Mais 350 militares dos Estados Unidos vão rumar ao Iraque, informou esta madrugada a Casa Branca. O Objetivo é proteger as instalações diplomáticas e pessoal em Bagdade.

«O Presidente autorizou o Departamento de Defesa a cumprir o pedido do Departamento de Estado para o envio de aproximadamente 350 militares para proteger as nossas instalações diplomáticas e pessoal em Bagdade, no Iraque», lê-se num comunicado citado pela Lusa.

Com este reforço, o pessoal militar norte-americano no Iraque ascende já a mais de um milhar. A maior presença de militares a mando de Barack Obama no país tem vindo a aumentar com o início da atual crise com os jihadistas do Estado Islâmico (EI).

Já lá vai um mês desde que a tensão aumentou, com a decapitação de dois jornalistas norte-americanos. A última, ainda ontem, terça-feira. O alvo foi o jornalista Steven Sotloff.

Entretanto, do lado do Reino Unido, o primeiro-ministro vai reunir esta quarta-feira um gabinete de crise para analisar o vídeo da decapitação, que ameaça executar, desta feita, um refém britânico, David Haines.

A ONU, por sua vez, mostrou indignação perante o que aconteceu: «Estamos todos indignados pelas informações provenientes do Iraque sobre os terríveis homicídios de civis» pelo Estado Islâmico, «incluindo a decapitação terrível de outro jornalista», lamentou o secretário-geral, Ban Ki-moon, durante uma visita à Nova Zelândia.