A rádio do grupo radical Estado Islâmico qualificou, esta quinta-feira, de «heróis» os autores do ataque ao jornal satírico francês «Charlie Hebdo», que provocou 12 mortos e 11 feridos na quarta-feira, em Paris, noticia a AFP. Os irmãos Said e Chérif Kouachi estão a ser procurados pela polícia francesa como suspeitos de terem cometido o atentado.
 

«Heróis jihadistas mataram doze jornalistas e feriram mais de dez outros que trabalhavam no jornal “Charlie Hebdo” e fizeram isto para vingar o profeta Maomé», noticiou o boletim da rádio Al Bayane, do Estado Islâmico, que controla grandes partes do território do Iraque e da Síria.

 
A rádio do Estado Islâmico sublinhou ainda que o periódico «não parou de insultar o profeta desde 2003», em alusão à publicação de caricaturas de Maomé. 

Também o braço da Al-Qaeda no Norte da África elogiou os autores do atentado e classificou os terroristas como «cavaleiro da verdade». De acordo com o site Intelligence Group, uma organização que monitora a atividade online de terroristas, a Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQIM) usou o Twitter para homenagear os assassinos com poesia árabe.