O secretário da Segurança Nacional dos Estados Unidos pediu ao Presidente eleito do país, Donald Trump, para não usar os dados pessoais dos jovens indocumentados beneficiários do programa de migração DACA, conhecidos como "dreamers" (sonhadores), para os deportar.

O Governo dos Estados Unidos disse aos requerentes [do DACA] que a informação pessoal que fornecessem não seria utilizada para aplicar as leis de imigração, exceto quando é determinado que se trata de um caso que representa uma ameaça para a segurança pública ou nacional”, disse o secretário da Segurança Nacional (DHS, na sigla em inglês), Jeh Johnson, numa carta divulgada esta quarta-feira.

A carta, datada de 30 de dezembro, é dirigida a mais de uma centena de congressistas que no início do mês passado pediram a Johnson para usar todo o seu poder para proteger os 750 mil indocumentados beneficiários do programa de Ação Diferida (DACA) que deram todo o tipo de informação pessoal no processo.

O programa DACA beneficiava os jovens indocumentados chegados aos Estados Unidos em criança e foi suspenso no ano passado pelo Tribunal Supremo norte-americano.

O Supremo também suspendeu o programa de Ação Diferida para Responsabilidade dos Pais (DAPA), que travava a deportação dos pais de cidadãos norte-americanos ou de filhos com residência permanente.