O secretário-geral adjunto da ONU para os Assuntos políticos, o norte-americano Jeffrey Feltman, inicia esta terça-feira uma rara visita oficial de quatro dias à Coreia do Norte, para onde viajou a partir de Pequim.

Jeffrey Feltman chegou ao aeroporto internacional de Pequim, donde tinha previsto partir a bordo de um voo da companhia aérea Air Koryo com destino a Pyongyang, marcado para as 04:55 (hora em Lisboa).

Esta viagem, anunciada na segunda-feira pelas Nações Unidas, tem lugar num altura de forte tensão, seis dias depois do disparo de um míssil balístico intercontinental (ICBM) pelo regime de Kim Jong-Un, com capacidade, segundo Pyongyang, para atingir qualquer parte do território continental dos Estados Unidos.

A visita de Feltman responde a um convite pendente há “muito tempo” para manter um “diálogo político” entre Pyongyang e as autoridades das ONU, disse o porta-voz da ONU Stéphane Dujarric.

Os contactos com os responsáveis norte-coreanos vão incidir “sobre assuntos de interesse e preocupação comuns”, indicou na segunda-feira o porta-voz, sem confirmar um eventual encontro entre o enviado da ONU e o líder norte-coreano, Kim Jong-Un. No entanto, assinalou que Feltman reunir-se-á com diplomatas estrangeiros e com representantes da missão humanitária da ONU.

Dujarric, questionado numa conferência de imprensa, não soube dizer quando foi a última vez que um alto representante político da ONU visitou a Coreia do Norte.

Desde que o regime de Pyongyang começou o programa de testes nucleares e balísticas em 2006, tem sido objeto de muitas críticas por parte da ONU, que também castigou o país com a imposição de sanções económicas e políticas.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas reuniu-se na passada quarta-feira para discutir o novo desafio da Coreia do Norte, no mesmo dia em que o regime de Pyongyang lançou um novo míssil balístico. No próximo dia 15 tem programada nova reunião, desta vez a nível ministerial, para decidir novas medidas contra o país.