A secção local do Partido Liberal Democrata (PLD), dirigido pelo primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, recebeu em 2012 e 2013 doações de uma empresa subsidiada, algo que é proibido por lei, informa a agência Kyodo.

Segundo os documentos a que a agência teve acesso, o gabinete do PLD do círculo eleitoral número 4 da prefeitura de Yamaguchi, de onde concorreu Abe, recebeu um total de 620.000 ienes (4.615 euros) em doações da Indústrias Ube.

Esta empresa química com sede em Osaka recebeu do Ministério da Economia, Comércio e Indústria subsídios no valor de 34 milhões de ienes (253.228 de euros) em 2012 e 2013.

A lei de controlo do financiamento de partidos proíbe a uma empresa fazer qualquer tipo de doações durante o ano seguinte à data em que o Governo a notificou da concessão dos apoios.

Na passada segunda-feira, o ministro da Agricultura, Koya Nishikawa, apresentou a demissão depois de se saber que a secção local do PLD que lidera recebeu uma doação semelhante.

Além disso, dois gabinetes liderados pelos titulares das pastas de Meio Ambiente e Justiça, Yoshio Mochizuki e Yoko Kamikawa, respetivamente, receberam também doações de empresas subsidiadas, ainda que ambos tenham assegurado perante o parlamento que desconheciam que o Governo tinha concedido ajudas a essas empresas.

O primeiro-ministro, que ainda não se pronunciou sobre o caso da sua secção local, deverá clarificar se conhecia ou não os subsídios concedidos à Indústrias Ube, um fator chave para determinar se as doações eram ou não ilegais.