"Muitas pessoas questionam-se se o princípio pacifista do Japão, que impede de nos envolvermos em qualquer guerra, está a sofrer erosão devido a esta iniciativa”, afirmou o autarca, em referência ao artigo 9.º da Constituição.

“Nunca devemos abandonar este princípio, sobre o qual se construiu a prosperidade do Japão atual. Não podemos olvidar as trágicas memórias que a guerra nos deixou”, realçou na sua “Declaração pela Paz”.