O Governo nipónico continuava este sábado de manhã sem notícias dos dois japoneses sequestrados pelo Estado Islâmico (EI), um dia depois do fim do prazo dado pelo grupo que reclama 200 milhões de dólares (mais de 170 milhões de euros) em troca dos reféns.

O ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Fumio Kishida, disse  que o Governo continua a tentar confirmar se os reféns estão vivos, mas que «no momento não há nenhuma informação sobre o seu estado».

Fumio Kishida falou  na madrugada deste sábado aos jornalistas, depois de uma reunião de crise em Tóquio na residência do primeiro-ministro, Shinzo Abe, na qual participaram outros membros do Executivo.

O governo promete não desistir dos seus cidadãos. Na sexta-feira, quando expirava o prazo dados pelos terroristas para o pagamento do resgate, a mãe de um dos reféns fez um apelo emotivo para salvar o filho, pai de um bebé e oferecendo a sua vida em troca.