O Japão foi atingido, esta quinta-feira, por um escândalo político apenas uma semana após o novo ministro da Indústria - cuja antecessora renunciou devido a um escândalo de dinheiro de campanha mal gasto - admitir que a sua equipa tinha estado num bar sadomasoquista.

Membros da Miyazawa-kai, grupo de apoio político que administra fundos do ministro, gastaram 135 euros (¥ 18.230) num bar, em setembro de 2010. A despesa foi registada como «despesas de entretenimento» no relatório do fundo político do grupo desse ano.

Yoichi Miyazawa admitiu que a equipa tinha apresentado despesas depois de visitar um bar sadomasoquista em Hiroshima, distanciando-se imediatamente do escândalo, dizendo que não tinha estado presente no bar.

«Eu soube do fato através de um relatório, e era verdade», afirmou Miyazawa numa conferência de imprensa. «Também é verdade que eu não estava lá», acrescentou. Não ficou imediatamente claro se Miyazawa resignaria ao cargo.

Miyazawa tinha assumido o cargo terça-feira passada, substituindo a ministra da Economia, Comércio e Indústria, Yuko Obuchi, que renunciou devido a um escândalo de financiamento, tendo sido alvo de acusações de que a sua equipa tinha utilizado abusivamente milhares de dólares de fundos de campanha.

Saiu também nesse dia a ministra da Justiça, depois de ser acusada de ter desviado dinheiro, que os seus oponentes insistem ter sido para uma tentativa de comprar votos. Matsushima foi substituída por Yoko Kamikawa.

Miyazawa, de 64 anos, é sobrinho do falecido primeiro-ministro Kiichi Miyazawa, e primo do atual ministro das Relações Externas Fumio Kishida.