O jornalista norte-americano James Foley, que desapareceu na Síria quase há dois anos foi decapitado esta terça-feira por apoiantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, que controlam o território entre o Iraque e a Síria, avança a agência Reuters.

Um vídeo que mostra o homicídio, intitulado «Mensagem para a América» foi publicado nas redes sociais pelos seus autores.

Os rebeldes islâmicos têm outro refém na sua posse, o também jornalista, Seteven Sotloff, e afirmam que o seu destino vai depender do próximo passo do Presidente norte-americano Barack Obama.

«A vida deste cidadão americano, Obama, depende da sua próxima decisão», afirmou um homem mascarado, que possui um sotaque britânico, no vídeo divulgado.

Casa Branca «horrorizada»

A Casa Branca mostrou-se «horrorizada» com a possível decapitação do jornalista norte-americano James Foley pelo Estado Islâmico (EI), sublinhando que os serviços de inteligência estão a tentar verificar a autenticidade do vídeo difundido pelos 'jihadistas'.

«Vimos um vídeo que pretende mostrar a morte do cidadão americano James Foley pelo EI. Se for autêntico, estamos horrorizados com a morte brutal de um jornalista americano inocente», indicou Caitlin Hayden, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, em comunicado.