O assassino dos jornalistas norte-americanos James Foley e Steven Sotloff, cujas mortes por decapitação foram reivindicadas pelos «jihadistas» do Estado Islâmico, foi identificado, anunciou o diretor da polícia federal (FBI), James Comey.

«Identificámo-lo», declarou o responsável máximo da polícia federal norte-americana numa conferência de imprensa, respondendo a uma pergunta sobre a identidade do homicida, cuja cara se encontrava tapada nos vídeos dos assassínios difundidos pelo grupo terrorista.

Comey escusou-se, contudo, a revelar pormenores sobre a identidade e nacionalidade do indivíduo que se pensa ser de origem britânica, denunciada nos vídeos pelo seu sotaque.

O Estado Islâmico decapitou dois jornalistas americanos e um cidadão britânico, funcionário de uma ONG, nas últimas semanas. Na quarta-feira, a vítima foi um turista francês, morto na Argélia, como retalição pelo apoio da França contra alvos «jihadistas».

Há ainda um taxista britânico que surgiu num vídeo. A mulher já apelou para que não matassem o marido.