A operação de coração aberto ao ex-chefe do Governo italiano Silvio Berlusconi, de 79 anos, começou esta manhã, anunciou o hospital San Raffael de Milão (norte) em comunicado.

Começou às 08:00 (06:00 TMG) esta manhã, a operação de substituição da válvula da aorta (coração) do presidente Silvio Berlusconi”, referia-se na nota.

A operação deverá durar cerca de quatro horas e Berlusconi passará dois dias nos cuidados intensivos, antes de uma convalescença de várias semanas, precisou o hospital.

A intervenção é conduzida pelo médico Ottavio Alfieri, à frente do serviço de cirurgia cardíaca do estabelecimento hospitalar milanês.

Ao início da manhã, a jovem companheira do ex-chefe de Governo, Francesca Pascale, apareceu visivelmente emocionada, com um lenço na mão, à janela do quarto do multimilionário.

Segundo a imprensa italiana, estavam presentes os filhos de Berlusconi.

O magnata dos media, que completa 80 anos a 29 de setembro do ano passado, deu entrada a 07 de junho no hospital, depois de sofrer subitamente um ataque cardíaco.

Estou naturalmente preocupado. Mas estou igualmente muito emocionado pelas numerosas manifestações de estima, apoio e afeto que me são enviadas por todos, mesmo da parte de adversários políticos", escreveu hoje na página de Facebook.

Numa mensagem anterior, na sexta-feira passada, Berlusconi afirmou-se “sereno”.

Enfrento esta etapa delicada confiando-me a Deus, bem como ao profissionalismo extraordinário dos médicos e do pessoal do hospital”, declarou.

O atual primeiro-ministro, Matteo Renzi, (centro esquerda) desejou-lhe “boa sorte”, enquanto o chefe do Partido Popular e anti-imigração da Liga do Norte (Matteo Salvini) ora aliado, ora rival à direita, endereçou-lhe as “os melhores votos para que regresse depressa ao campo”.

Na quinta-feira, o médico pessoal, Alberto Zangrillo, explicou durante uma conferência de imprensa que Berlusconi foi internado na quarta-feira “em estado grave”.

A sua vida estava em perigo e ele sabia”, insistiu.

O presidente da Forza Itália (centro direita), adoeceu a 05 de junho, dia da primeira volta de importantes eleições municipais parciais em Itália.

Na ocasião, votou pela primeira vez após três anos de interdição de direitos cívicos, no âmbito de uma condenação por fraude fiscal, a única definitiva até à data.