No meio do pó e da destruição, naquilo que restou da vila de Pescara del Tronto depois do forte sismo que sacudiu o centro de Itália, ouviram-se gemidos debaixo dos escombros. Depressa uma multidão formou-se no local e os bombeiros iniciaram a operação de resgate. Mais de 17 horas depois do terramoto, uma menina de apenas dez anos que tinha ficado soterrada era resgatada sã e salva.

Coberta de pó, a criança, chamada Giorgia, foi levada ao colo por um bombeiro, enquanto a multidão aplaudia e rejubilava: “Está viva!”. O "milagre" da vida num local que foi repentinamente atingido pela morte. Um momento de emoção, que foi registado pela Sky italiana.

Giorgia foi transportada para o hospital, como informou o bombeiro Danilo Dionisi. O responsável italiano não se alongou nas declarações. "As imagens falam por si", sublinhou.

“A menina de dez anos foi resgatada dos escombros e está a ser lavada para o hospital. Quanto ao resto, as imagens falam por si. Mostram como esta vila está.”

Segundo o Corriere della Sera, a menina foi operada no hospital de Ascoli Piceno e encontra-se bem. A irmã, que se encontrava ao seu lado no momento em que ocorreu o sismo, não sobreviveu.

Amatrice foi a vila mais afetada pelo sismo. Só aqui morream cerca de 200 pessoas. Metade da localidade é agora um aglomerado de ruínas. "A vila já não está aqui", disse o presidente da câmara, Sergio Pirozzi. 

Ainda que em 90% dos casos as pessoas sejam retiradas dos escombros sem vida, os voluntários e operacionais no terreno não desistem de procurar por sobreviventes. 

"Infelizmente, 90% das pessoas são retiradas sem vida, mas algumas sobrevivem. É por isso que aqui estamos", afirmou o voluntário Christian Bianchetti. 

E foi precisamente aqui que outros "milagres" foram registados em vídeo. 

Duas crianças, incluindo um bebé, foram retiradas com vida dos escombros, como mostram as imagens captadas pelo Corriere della Sera.

 

Num outro vídeo, também em Amatrice um rapaz é transportado numa maca, depois de também ter sido resgatado com vida.

Em Itália, esta foi uma quarta-feira longa e difícil. Multiplicaram-se os esforços para encontrar sobreviventes do sismo de magnitude 6.2 na escala de Richter que arrasou várias localidades, como Amatrice, Accumoli e Arquata del Tronto. As operações continuam esta quinta-feira.

O número de mortos na sequência do terramoto não para de crescer. Até ao momento, a Proteção Civil italiana já contabilizou 241 vítimas mortais, mas dada a dimensão dos estragos e o grande número de desaparecidos o número poderá aumentar.

Quem sobreviveu, descreveu um cenário apocalíptico, impossível de esquecer.