Um barco com 381 migrantes naufragou, esta quinta-feira, no canal da Sicília, no mar Mediterrâneo, a cerca de 24 quilómetros de distância onde, na quarta-feira, um outro barco que transportava centenas de migrantes também se afundou.

Contudo, ao contrário do incidente anterior, não foram registadas vítimas mortais. A Guarda Costeira italiana informou que a embarcação Fiorillo terá resgatado um total de 381 pessoas, que se encontravam em situação de risco.

Entre os resgatados estão 55 mulheres e 26 crianças, provenientes sobretudo da Síria, Bangladesh e da África subsaariana.

O barco que também naufragou esta quarta-feira, na mesma área, junto à costa da Líbia, provocou a morte de pelo menos 25 pessoas, sendo que 400 foram resgatadas. As autoridades receiam ainda que cerca de 200 migrantes podem estar desaparecidos, visto não se saber ao certo número total de pessoas presentes na embarcação.

Segundo a Organização Internacional para Migrações, mais de 2 mil pessoas morreram este ano, na tentativa de cruzar o Mediterrâneo para chegar à Europa. O estreito da Sicília, que liga a Líbia com a Itália, é a rota migratória que concentra o maior número de vítimas.