O ex-primeiro-ministro italiano Sílvio Berlusconi afirmou esta terça-feira que o dinheiro com que manteve economicamente durante vários anos as mulheres que participavam nas festas que organizava correspondeu a uma iniciativa pessoal, «generosa e altruísta».

Foi desta forma que Berlusconi descreveu através de cartas enviadas a cada uma das cerca de 20 jovens, em dezembro de 2013, para lhes explicar que os advogados recomendavam o cancelamento do envio de dinheiro.

A imprensa italiana publicou o teor das cartas enviadas às mulheres.

«Nesta altura (dezembro de 2013) os meus advogados, apesar de compreenderem a generosidade e o altruísmo da minha iniciativa, pedem-me com determinação a não continuar com o apoio económico mensal», escreve Berlusconi nas cartas reveladas hoje.

O conteúdo das mensagens surge depois de notícias publicadas no fim-de-semana e que davam conta de que Berlusconi pagou às mulheres que participaram nas conhecidas festas do ex-primeiro-ministro.

No total, Berlusconi gastou com as participantes das festas dois milhões de euros durante mais de três anos, segundo escreveu o jornal La Repubblica sobre o caso «Ruby Ter» que investiga o ex-governante por corrupção.

As cartas de Berlusconi conhecem-se uma semana depois de o Tribunal Supremo ter confirmado a absolvição do ex-chefe de governo por alegado abuso de poder e incitamento à prostituição de menores no caso «Ruby».

Apesar da decisão do Supremo, Berlusconi enfrenta ainda a decisão judicial anunciada em 2013 e que o impede de exercer cargos políticos durante seis anos.