Um avião da Turkish Airlines, com 170 passageiros e sete tripulantes, com destino a Lisboa, foi obrigado a regressar para Istambul. Na origem do incidente está um pacote suspeito não identificado encontrado a bordo do aparelho, que não pertenceria a nenhum dos passageiros. No entanto, veio a descobrir-se que se tratava de uma caixa contendo uns auscultadores.  

Perante a hipótese de ameaça de bomba, o  Airbus A321-231 aterrou no aeroporto de Atatürk onde estiveram membros das forças de segurança. O avião já partiu novamente com destino a Lisboa, onde tem chegada prevista para as 19:16, disse à Lusa fonte da companhia aérea.

Segundo a Reuters, os passageiros estão a ser transportados para outro avião, de forma a que possam realizar a viagem até Lisboa em segurança.

O aparelho fazia o voo TK1759, com chegada prevista ao aeroporto de Lisboa às 14:39 e voltou para Istambul via Thessaloniki, na Grécia, segundo a imprensa local.
 
O MNE está a acompanhar esta situação através da embaixada de Ankara , mas desconhece ainda o número de portugueses a bordo do voo,  segundo informações fornecidas à  TVI24. 

Esta foi a terceira vez que se registaram incidentes com a companhia aérea turca obrigando a alterações no cursos dos voos, nos últimos dias. Ameaças de bomba também estiveram na origem dos incidentes anteriores. 

Na segunda-feira, um avião proveniente de São Paulo, no Brasil, aterrou em Marrocos depois de um papel com a palavra «bomba» escrita ter sido encontrado numa casa de banho.

Assim que o avião aterrou, os passageiros foram de imediato retirados e teve início a operação de buscas por explosivos. No entanto, segundo à agência, a ameaça foi falsa e nenhum engenho explosivo foi encontrado na aeronave.

No dia anterior, no domingo, um voo entre Istambul e Tóquio foi obrigado a regressar pouco depois de descolar quando outro bilhete foi encontrado na porta de um lavatório.

A Turkish Airlines é a quarta maior companhia aérea da Europa.