Mais de mil palestinianos presos em cadeias israelitas iniciaram hoje uma greve de fome na sequência do apelo de Marwan Barghouti, líder da segunda intifada, disse à AFP um responsável da Autoridade Palestiniana.

“Cerca de 1.300 palestinianos entraram em greve de fome e o número pode aumentar nas próximas horas”, disse à France Presse Issa Qaraqee, dirigente da Autoridade Palestiniana responsável pelas questões relacionadas com prisioneiros.

Entretanto, o “Clube dos Prisioneiros Palestinianos”, uma organização não-governamental, avançou que mais de 1.500 pessoas já aderiram à greve de fome, nas prisões israelitas.

Ao mesmo tempo, nas ruas, dezenas de familiares destes reclusos decidiram manifestar-se (veja a imagem associada a este artigo), erguendo fotografias dos presos.