Parte de um navio submerso com milhares de moedas com 1.600 anos, estátuas de bronze e outros objetos foi descoberto junto a um porto antigo de Cesareia em Israel. A informação foi divulgada esta segunda-feira pela Autoridade de Antiguidades de Israel.

Trata-se do maior conjunto de objetos descobertos no fundo do mar nas últimas três décadas. Segundo a Autoridade de Antiguidades de Israel, foi localizado de forma fortuita, num primeiro momento, por dois amantes do mergulho submarino, Ran Feinstein e Ofer Raanan. 

Os dois mergulhadores alertaram depois as autoridades que realizaram várias expedições a esta zona do fundo do mar.

O espólio descoberto, que data da época romana, inclui ainda âncoras de ferro, restos de âncoras de madeira, e objetos que foram empregados na construção e navegação da embarcação afundada.

De acordo com Jacob Sharvit, responsável da Autoridade de Antiguidades de Israel, o navio terá afundado depois de ter sido surpreendido por uma tempestade à entrada do porto. O navio terá embatido nas rochas, depois de as âncoras terem partido com a força das ondas e do vento.