O ataque com armas automáticas numa zona turística de Telavive, composta por lojas e restaurantes, causou pelo menos quatro mortos e nove feridos, um deles em estado muito grave, segundo um novo balanço da polícia israelita. Um porta-voz do Hospital Ichilov, citado pela CNN, adianta que um dos feridos graves morreu quando estava a ser assistido.

A zona comercial situa-se em frente do Ministério da Defesa e do Estado-Maior do Exército israelita. O ataque ocorreu cerca das 21:30 horas locais (19:30 em Lisboa).

Pelo outras oito pessoas ficaram feridas, no ataque que foi levado a cabo com armas automáticas, indicou a polícia local, citada pelas agências internacionais.

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu já reagiu ao ataque e assegura que Israel vai responder da maneira adequada. “Tomaremos as medidas necessárias para atacar os terroristas e defender quem precisa de ser defendido”, adiantou.

Num comunicado, a polícia israelita indicou que poderá tratar-se de um "ataque terrorista", embora ninguém ou nenhuma organização o tenha reivindicado.

Imagens de câmaras de vigilância que mostram o momento do ataque estão a ser divulgadas nas redes sociais. As imagens mostram o pânico e a fuga dos clientes, incluindo famílias com crianças.

 

De acordo com as agências noticiosas internacionais, que citam a polícia israelita, dois atacantes em primos e oriundos do distrito de Hebron, na Cisjordânia. Depois de tomarem uma bebida no local, sacaram de armas automáticas e fizeram vários disparos.