Pelo menos 30 polícias morreram na noite de sexta-feira em al-Wahat al-Bahriya, uma zona de deserto a 135 quilómetros da capital egípcia, onde foram atacados por guerrilheiros de um grupo ainda não identificado, mas presumivelmente ligado ao fundamentalismo islâmico.

De acordo com a agência noticiosa britânica Reuters, citando fonte do Ministério do Interior, um número de atacantes terá também morrido na refrega, sendo que as forças policiais continuavam a patrulhar a zona, fazendo buscas.

O número de vítimas entre os polícias foi revelado à Reuters por duas fontes das forças de segurança.

A polícia terá mobilizado meios aéreos para tentar conter a ofensiva dos guerrilheiros.

O Egito continua a viver em estado de emergência após ataques bombistas levados a cabo contra templos de cristãos coptas.

Grupos ligados ao autoproclamado Estado Islâmico têm levado a cabo ações em território egípcio, especialmente na zona do Canal do Suez.