Um ex-combatente do Estado Islâmico deu uma entrevista impressionante onde revela alguns métodos usados pelos terroristas.

Abu Bukr, 21 anos, foi capturado há seis meses pelo exército sírio e não parece nada arrependido de ter combatido como jihadista.
 
“Na nossa organização temos ‘juízes’ especiais para julgar se um homem deve ser condenado à morte ou à prisão. Por exemplo, matamos os heréticos que são contra a nossa religião", contou o jovem, um entre milhares caídos na rede do Estado Islâmico.
 
Foi recrutado no Egito, onde estudava, e a família, alarmada, ainda tentou demovê-lo, mas sem sucesso.
 
“Uma vez pediram-me para deixar o Egito, para voltar para casa, formar uma família e ter uma vida normal. Até me disseram que se estava comprometido com o grupo extremista mudariam o número de telefone, mas não segui o conselho deles", afirmou.
 
Não vê a família há três anos e a separação deverá ser muito longa ou mesmo para sempre, pois o que o espera é uma vida nas prisões sírias.